SETENTINHA

     Foi em 2001, pelo Segundo Caderno do jornal O Globo, que li a crônica de Zuenir Ventura com este título: Setentinha. Nessa crônica, escrita para comemorar seus 70 anos, o cronista descreve seu espanto e faz várias citações, invoca Bobbio, Cícero (Da senectude), Niemeyer, mas esta observação dele é o que me importou: “A verdade é que, graças aos  avanços da gerontologia, não se fazem mais velhos como antigamente. Os de hoje são mais jovens – homens e mulheres”.

     Minha referência à crônica de Zuenir Ventura não termina aí. Tive o trabalho de recortá-la e guardá-la. A partir de então, a todos os amigos que faziam 70 anos mandava uma cópia. Mandava por pilhéria, como se apontasse: agora és um sententão. O último amigo a quem mandei tal cópia foi o desembargador Kleber Carvalho, em março deste ano.

     João Mohana dizia que queria morrer com 70 anos. E morreu. Ainda poderia produzir muito mais.

     Não sei de onde tirei a infantilidade de esconder minha idade. Sempre disse que só aos 70 anos não esconderia mais. Agora, me vejo diante dessa promessa, mas ainda acho cedo para cumpri-la. Fico pensando: o que seria eu aposentado compulsoriamente, quando ainda me acho em pleno funcionamento mental? Escapei com a elevação dessa idade para os 75 anos. E veja que eu era contra essa elevação.

     Esse disparate da idade real com a espiritual, com a sensação interna de juventude, é um paradoxo na vida das pessoas. Tinha razão o poeta Paulo Leminski, ao disparar estes versos: “quando eu tiver setenta anos/ então vai acabar esta adolescência/ vou largar da vida louca/ [...] então ver tudo em sã consciência/ quando acabar esta adolescência.”

     O que significa fazer 70 anos? Se fosse compelido a sintetizar numa única palavra, diria: plenitude. É como se acrescentássemos alguma coisa mais em nossa visão, em nossa mente, o que nos dá uma clareza maior para ver o mundo e usufruir de todos os seus detalhes, com a consciência do valor de cada coisa. Se tivermos o privilégio de viver numa família, rodeado da mulher, dos filhos e dos netos, então essa plenitude se torna mais perfeita. Uma rodada com amigos também é a melhor terapia para essa fase da existência. E mais: se cultivarmos uma utopia, um projeto de vida, aí, então, conservaremos continuamente a juventude. E os livros? Como se pode envelhecer sem a companhia dos livros? Vejam a advertência de Marguerite Duras: “Caminhais em direção da solidão? Eu, não; tenho os livros.”

     Sob o impacto da pandemia do coronavírus, vendo amigos e conhecidos morrendo, lembrei-me de uma frase pronunciada por um personagem de um livro de Muriel Spark: “Ter setenta anos é como estar em guerra; todos os nossos estão indo ou se foram, e nós sobrevivemos entre os mortos e os moribundos, no meio de um campo de batalha.”

     Da infância e adolescência, só tenho lembranças, mas não saudades. Nunca suspirei por essas fases da vida. Se pudesse estabilizar o estágio atual, teria mais proveito do que do tempo passado, apesar das manias, apesar dos remédios.

     Essa estabilidade emocional com que estou enfrentando essa nova década,  com lucidez e um monte de sonhos para realizar, não me tira a precaução de pensar Nela, a “indesejada das gentes.” Cheguei até a fazer um poema neste ritmo: Ela já começa a mandar/ recados. Faço que não entendo./ Precavido,/ tomo algumas providências/ disfarçadas./ Ela percebe e sorri/ o sorriso maligno/ de quem tem poder/ e a determinação/ de chegar a qualquer hora.

     Assim, amigos e amigas, apresento-lhes o novo setentão da comarca. Para os curiosos, continuarei reticente.

     Por: Lourival Serejo

  • Compartilhar:


Lourival Serejo

O escritor Lourival de Jesus Serejo Sousa nasceu na cidade de Viana, Maranhão. Filho de Nozor Lauro Lopes de Sousa e Isabel Serejo Sousa. Formou-se em Direito, em 1976, especializando-se em Direito Público, pela Faculdade de Direito do Ceará, em 198
Saiba mais

Contatos

  • email
    contato@lourivalserejo.com.br

Endereço

Desembargador Lourival Serejo