Últimas Postagens

Os ruídos vindos da Colômbia

  A literatura colombiana tornou-se mais conhecida e respeitada depois de Garcia Márquez, depois dos “Cem anos de solidão”, precisamente. Arrebatando o Prêmio Nobel de Literatura, em 1982, Garcia Márquez elevou a literatura latino-americana, a ponto de...Saiba mais

  • Compartilhar:

Os ruídos vindos da Colômbia

  A literatura colombiana tornou-se mais conhecida e respeitada depois de Garcia Márquez, depois dos “Cem anos de solidão”, precisamente. Arrebatando o Prêmio Nobel de Literatura, em 1982, Garcia Márquez elevou a literatura latino-americana, a ponto de...Saiba mais

  • Compartilhar:

Ter ou não ter filhos

A revista Veja, em edição recente, tratou, com chamada de capa, dessa matéria, exibindo uma executiva que renunciara a ter filhos em prol de sua carreira e suas ambições. O índice de casais sem filhos torna-se cada vez mais elevado, em todos os...Saiba mais

  • Compartilhar:

Ameaça à Constituição

Não fui surpreendido com a notícia porque já a havia lido, há meses, em algum jornal. Pela ousadia e absurdo, pensei que a ideia tivesse sido abandonada. De repente, vejo, pelo Jornal Nacional, a entrevista com um deputado federal do Piauí, integrante do Partido...Saiba mais

  • Compartilhar:

A família e a nova constituição do Egito

A Constituição do Egito, promulgada recentemente, é a mais nova constituição do mundo. Por essa condição, deveria conter, em si, a síntese dos avanços sociais e a garantia dos direitos humanos já consolidados nos países...Saiba mais

  • Compartilhar:

Os inimigos íntimos da democracia

Já conhecia o crítico literário búlgaro e hoje cidadão francês, Tzevetan Todorov, no campo da literatura, pelo estudo de suas obras Introdução à literatura fantástica (Perspectiva, 2010) e Poética da prosa (Martins...Saiba mais

  • Compartilhar:

Dois palhaços e uma lição

Em tempo de carnaval, faço uma pausa para falar de palhaços. De certa forma, o tema se concilia com o momento de folia, mas a direção da prosa é diferente: não tem confetes nem serpentina. Venho falar de um palhaço real e de um fictício, da...Saiba mais

  • Compartilhar:

ALUÍSIO AZEVEDO, cem anos depois

    Por: Lourival Serejo Nas prateleiras da Livraria Cultura, uma edição juvenil de O cortiço chamou-me a atenção: era um exemplar luxuoso, com capa estofada e impresso em papel  acetinado, com várias fotos coloridas, tudo para...Saiba mais

  • Compartilhar:

As infelizes adúlteras da literatura universal

Ao terminar a releitura do consagrado romance de Liev Tolstoi, Anna Kariênina (Cosac Naify, 2005, 816 p.), veio-me a ideia de escrever algumas linhas sobre a infidelidade conjugal, com base em algumas obras literárias que exploraram esse tema polêmico e sempre atual. O...Saiba mais

  • Compartilhar:

O fim do mundo

Por: Lourival Serejo Finalmente, o mundo vai se acabar. Depois de tantos debates, dúvidas e profecias, está definido o próximo dia 21, sexta-feira, para o mundo acabar. A profecia é dos Maias, povo que viveu em parte da América Central e na península de...Saiba mais

  • Compartilhar:

Admirável mundo da filatelia

Não sei de onde surgiu a ideia de colecionar selos. Foi de repente, como uma onda que envolveu os irmãos e alguns amigos, todos da mesma faixa etária. Passamos a vasculhar os envelopes antigos da casa e pedir aos parentes e amigos que nos ajudassem nessa busca. De maneira...Saiba mais

  • Compartilhar:

O perfume

Esta é uma história que reclama o adjetivo de “impressionante” e deixará o leitor de boca aberta. Não tem a força da ficção de Patrick Süskind, autor do romance O perfume, mas tem o peso de ser uma história real. Tudo...Saiba mais

  • Compartilhar:

Lourival Serejo

O desembargador Lourival de Jesus Serejo Sousa nasceu na cidade de Viana, Maranhão. Filho de Nozor Lauro Lopes de Sousa e Isabel Serejo Sousa. Formou-se em Direito, em 1976, especializando-se em Direito Público, pela Faculdade de Direito do Ceará,
Saiba mais

Contatos

  • email
    contato@lourivalserejo.com.br

Endereço

Desembargador Lourival Serejo